Cirurgia Pós Emagrecimento

Após um grande emagrecimento, que ocorre após tratamento para obesidade mórbida, seja por dieta ou cirurgia com a colocação de banda gástrica ou redução de estômago, com a redução drástica do volume de gordura abdominal, ocorre um abaulamento flácido do abdome, formado por um excesso de pele.

Devido ao grande estiramento da pele durante o período de obesidade, a pele perde parte da sua elasticidade, e quando ocorre a perda de peso, ela não retrai o suficiente, originando o “abdômen em avental” caracterizado por um sobra de pele pendular abaixo do umbigo.

A abdominoplastia remodela o abdome ao retirar o excesso de tecido (pele e gordura) que se acumula principalmente abaixo do umbigo e também por ajustar a cinta muscular frouxa. Não é uma cirurgia para emagrecer e sim para o remodelamento do abdome.

Poderá necessitar da ressecção do excesso de pele e/ou de uma lipoaspiração também nos braços, abdome, mamas, coxas, face e pálpebras.

A cirurgia plástica do contorno corporal completo inclui a lipoaspiração, ressecção das dobras do abdome, dos braços, das coxas, facelift, mamoplastia e outros procedimentos necessários.

Procedimento Cirúrgico
A duração de uma cirurgia dessas é de 2,5 a 5 horas, dependendo da quantidade de pele a ser removida. As cirurgias podem ser programadas em seqüência, em diversos meses subseqüentes, para reduzir a morbidade pós-operatória.

Pós-operatório

A dor pós-operatória é controlada com analgésicos comuns.

Podem ocorrer longas cicatrizes nos braços, abdome, coxas e mamas, que apresentam tendência à regressão com o tempo. A fisioterapia poderá ser necessária para redução do edema e para a obtenção do resultado final. O retorno a rotina se dará após 4 semanas e as atividades árduas após 12 semanas.

Deve-se evitar esforços e manter-se em uma postura curvada por até 15 dias, para evitar tensão na cicatriz. Exercícios físicos devem ser evitados por no mínimo 1 mês.Deve-se usar uma cinta elástica por ao menos 1 mês.

Dentre as complicações possíveis, podem ser citados: hematoma, seroma, infecção, necrose (sofrimento da pele), deiscência (abertura da sutura), queloide, trombose e embolia.

Por serem as complicações mais freqüentes em paciente fumantes, estes devem se abster do cigarro por um mês antes da cirurgia, para minimizar os riscos

Veja também: